20071031

Convulsão

CONVULSÃO
Ao vislumbrar as sendas da memória
esbocei, uma a uma,
as mais pérfidas imagens
Lembranças maculadas
por sangue desferido a navalhadas.

Convulsiva, cerrei as fendas da história
com o bálsamo do perdão
Enterrei, uma a uma,
as celas da vertiginosa visão
Alegorias sufocadas,
mortes finalmente ilhadas.

Encerradas em telas.

20071025

Lírios ensaiam uma toada...

Lírios ensaiam uma toada,
rosas preparam o seu rubor.
Silenciosa sombra inviolada!
Da pureza, meu Amor,
usurpamos a insensatez
e o convulsivo tremor.
Serena, amparo a tua avidez:
contigo, meu Amor,
não temo a doce embriaguez!

20071018

Postiço

Hipercalórico.

20071017

1984

Eis o Crepúsculo dos Ídolos e a Aurora de Cordélia!

20071014

Saturação

"tu te tornas absurdo,
tu te tornas virtuoso"
(F. W. Nietzsche)

20071002

O Visível e o Enunciável

"Can you show me where it hurts?"

Quadro clínico:
Ataxiafasia teórica.
Solipsismo crítico.
Niilismo ultraviolento.
(Reversível.)

Sangue nas Retinas

"A poesia é o raro da linguagem. Mesmo que reles. E é um vampiro que se alimenta de olhares." (Paulo Leminski)