20101007

Amor e Alma

AMOR E ALMA
Luz de vela, sombras discernentes
Onde pairam ébrias (in)consciências
Sábia, pelos vales vagava a Alma
Ela, imersa em seu ascético ermo,
Ornara-se de belas e raras heras
A suplicar por seu Amor
"Que venham a mim todas as feras!"
Bradou a bela, quase dormente
"Ah... Que me resta, senão o torpor?"
Desnuda, adormecera por entre as rosas
A devanear e a enlear-se em seu mistério
Mas eis que, manso e resplandecente,
Surge um anjo a dourar-lhe a beleza
E a acariciar-lhe a pálida tez
Num sobressalto, "É Ele!"
Deslumbrada, deixou-se cobrir de flores
Da corbelha que o Amor lhe ofertara
Fez-se, de núpcias, um etéreo consolo
Embevecidos, uniram-se Alma e Amor
No eterno e ledo fulgor da pureza.

3 na trincheira.

Jean disse...

[i]Eu vejo você olhar para o céu.
Eu sei o que te faz feliz lá.

Eu insisto que esse sentimento simples
Seja chamado de louco.[/i]

--

Till There Was You


Então houve música e lindas rosas,
Que eles me disseram em doces e cheirosos brejos da alvorada e você...
Havia amor, em volta de tudo
Mas eu nunca o ouvi cantando
Não eu nunca o ouvi
Até que você apareceu
Então houve música e lindas rosas

Anônimo disse...

Muito lindo seu Blog Carol, Você esta de parabéns Beijos

Feérica "Psychedella" Fuzilêra disse...

Obrigada!