20110920

Matar Baratas

Sempre me recordo com muitas risadas deste "causo".

Manuela (irmã), Kênia (coleguinha de classe e amiga da Manuela) e eu brincávamos no quintal da casa de nossa companheirinha. Eu tinha nove anos de idade; elas, oito.
O sol já estava se pondo, e logo teríamos que nos despedir da Keninha.
Mas algo nos surpreendeu naquele fim de dia. É que, de repente, centenas de baratas invadiram o nosso espaço! Foi um auê danado! Corremos de um lado pro outro, aflitas, assustadas...!
Então descobrimos que as "bichinhas" (enormes, na verdade!) estavam escapando loucamente de um esgoto que dava para a rua.

Não deu outra: resolvemos enfrentá-las! Empunhamos vassouras, e voilà! Lembro que a mãe da Kênia ficou louca!
Daí compusemos, ao longo da missão, uma canção. Detalhe: a melodia foi inspirada no hino do Atlético Mineiro (só por causa da Keninha! Eu, hein! VADE RETRO, Galo sofredor! Ha-ha!). Mas ficou perfeita, a música! Enquanto "varríamos" as pestinhas, entoávamos a nossa marcha. E como foi divertido!


Espontâneo! Inesquecível!

Eis o fruto da peripécia das "Meninas Superpoderosas":

"Matar, matar baratas
É nosso lema tão fiel
Matar essas pestinhas
Até irem para o Céu
Se virem uma barata
Matem-na, com certeza
Não deixem essas pestinhas
Invadirem a realeza
Vamos vencer
Nós queremos ser
O terror das nações
E invadir corações
Vamos viver
Porque somos sensatas
Com as armas nas mãos
Expulsar as baratas
Com as armas nas mãos
Expulsar as baratas.

SE VIREM UMA BARATA,
MATEM-NA!"


[Tadinhas das baratas...! Sofreram, viu!]

20110915

Ressuspiro

(Acordo de repente.)

Tenho que registrar.

Pedi a um menestrel que entoasse a antiga canção "Senhorita", enquanto eu pudesse continuar o sono.
Mesmo assim, noite parada, continuava a oferecer sementes aos pássaros notívagos. Com a música a retumbar na mente, irrequieta, e o vestido a desfolhar pelas curvas do meu corpo, sentia algo além.
Repousava na suavidade de meus movimentos. E circulava.
E então larguei tudo, tudo, tudo...
Nada parecia ressonar.

Faz tempo que isso se repete.


(Terei agora a certeza do cantador?)

20110914

(Ainda que) Um Raro Sorriso


Ah, isto ninguém me tira! Jamais.

"Sorriso bom, só de dentro
Ninguém é bom sendo o que não é
Eu, pra ser feliz com mentira,
Melhor que eu chore com fé."
(Taiguara - "Piano e Viola", 1972)

20110901

Redenção

E eis que no pós-guerra a angústia transmuta-se em bálsamo para a assunção das feridas. Veias e sendas abertas em festa pela aniquilante busca existencial: o sentido da Vida.

Profanações humanas.