20180110

"Poupée de cire, poupée de son"


Um dos ícones da turma "Yé-Yé" francesa dos anos 1960, France Gall imprimiu o seu talento com muito louvor desde a mais tenra idade.

Sua voz agridoce, uma pintinha no alto da maçã do rosto e seus cabelos que se mantiveram por muito tempo naquele estilo "chanel" tornaram-na uma figura indelével.


Sempre a admirei enquanto aquela grande mulher que nunca deixou a peteca cair. Esse caráter de Gall demonstrou, ao longo de sua vida, o senso de humanidade e de muita força ante diversos desafios.


Em Dezembro do ano passado, foi internada devido à recorrência de um câncer. Infelizmente, não resistiu ao tratamento. Mas deixou a mensagem de coragem - sua marca registrada.


Que Deus a tenha e conforte os seus familiares e seus amigos.

E você sempre estará aqui, no meu coração, ma chérie!

OuVejam Zozoi, uma das músicas mais engraçadas da época. E a performance dela, então? =]


P.S.: Era ela, popularmente, considerada a "Lolita" de Serge Gainsbourg.

Ninguém na trincheira.